quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Sem saber


Não sei se tenho direito ou maturidade de falar isso,mas eu não entendo essa mania que as pessoas tem de ter que provar que é feliz.Que mesmo sem aquela amiga pode ir naquela festa toda linda,de mostrar que não precisa do ex pra sorrir, alias,não entendo mesmo essa "modinha" de não precisar amar.Sim, mesmo sem namorado dá pra estudar,sair com as amigas e ser feliz sim sem disfarce,mas é estupidez dizer que não se precisa de amor.Quem não gosta de ter pra quem contar como foi seu dia,ter quem compartilhar seus problemas e receber um beijo depois de se acalmar.Ou que não é gostoso assistir filme e comer pipoca bem aconchegada nos braços de alguém, e que esse alguém precise do seu sorriso pra sorrir também.
Dizem que se tem menos de 18, é novo,tem toda a vida pela frente, não precisa se prender a ninguém.Se tem mais, aah, ta na hora de se dedicar a carreira, comprar apartamento,financiar carro.E o amor, fica aonde?Ai, se chega aos 30 e ainda não casou,é encalhada.
Talvez eu seja boba em me imaginar dentro de um vestido de noiva, ou sonhar com meu filho nos braços.Mas eu só quero achar meu lugar no mundo.Eu só quero conhecer aquela pessoa que faça meu coração bater forte, mas saiba como o acalmar.Quero conhecer alguém a quem eu divida tudo,que eu posso confiar de olhos fechados,achar alguém que queira estar ao meu lado,sempre.
Meu medo é e sempre foi não notar quando essa pessoa cruzar meu caminho.Eu sonho demais sabe? Eu e minha mania de histórias,de achar que cada pessoa é especial a sua maneira, que pode ser diferente.Suas decepções sempre serão proporcionais as suas expectativas,essa é ideal pra mim.
Acho que sou muito nova pra ter algo sério.Não consigo acreditar que algo vai dar certo pra mim aos 16.Talvez eu esteja enganada, que o amor pode tudo,blá blá,mas to vivendo o momento.Errada?Talvez...minhas certezas ultimamente tão bem,bem escassas.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

É com você




Sexta a tarde, seis horas.Quando finalmente ele chegou em casa,teve de enfrentar a chuva para sair do carro.Trancou as portas, respirou fundo e subiu as escadas.Pegou a chave e entrou em fim na casa abafada pelo calor daquela tarde de verão.Descalçou os velhos sapatos,tirando a meia molhada de suor,e as largou na entrada,junto deles.Podia prever as reclamações já,antes mesmo que elas viessem.Enquanto desapertava o nó da gravata e largava a pasta no sofázinho,ia pensando se ia beber uma cerveja ou uma dose de vodca.Quando chegou a porta da geladeira,optou pela cerveja mesmo.Pegou o saca rolhas e abrindo a garrafa,se virou para a bancada,notando um papel que não havia ali quando tomou seu café de manhã.Pegou e já reconheceu a letra inclinada e meio ilegível,característica da constante ansiedade da dona dela.

"No forno tem um pedaço de lasanha,só precisa esquentar.Vê se não larga suas roupas pela casa,põe tudo no cesto que amanhã eu coloco na máquina.Lava a louça e trate de me esperar cheirosinho e com um brigadeiro.Por volta das onze eu volto,mas provavelmente sem fome, então baixe o filme que estou te  pedindo a semanas.Ah,de comida ao peixe, e não esqueça de recolher seus CD's da sala.Beijo,te amo."

Mal terminou de ler e foi arrumando a comida.Devia já ter se acostumado com esses bilhetes,mas mesmo depois de 6 anos seu coração ainda dava compassos irregulares ao passar os olhos pelo papel.Aquela era definitivamente a mulher da sua vida.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Diário Perdido




Capítulo XVI 

No meio das fadas

A Moni é louca.Se duvidar, mais que a minha mãe.Ela teve umas novas ideias pro clipe da Cristal de Ferro, que foi atrasado pra ser lançado junto com o CD.E ela decidiu que me quer pra ser a garota do clipe.
A gente tava numa lanchonete quando ela me deu a notícia.

-Você não precisa atuar.O roteiro é pequeno,flor!Vai ser ótimo, já até escolhi o garoto que vai contracenar contigo,ele chega daqui a pouco pra te conhecer.
-Moni...
-Vai ser divertido...e além do mais, eu queria tanto você pra musa do meu clipe.Rola até cachê!
-Tu sabe que não me importo com isso!
-Então qual é o problema?Você pode...Eugênio, aqui!
Olhei para a direção onde ela tava acenando e meu queixo quase caiu.Um cara alto, moreno, com o rosto lindo, super gato, vinha vindo na nossa direção.
-Eugênio, essa é a Larissa. Laah, esse é o Eugênio, de quem eu tava te falando.
-É...oi, Eugênio.
-Tudo bem?
-Tudo sim...Moni, eu aceito,sabe.
Meu Deus, como eu sou disfarçada...mas também, foi só ver com que eu ia fazer um clipe ROMÂNTICO, que mudei de ideia na hora...afinal, que mal tinha nisso?
Vai ser legal.
E é uma coisa diferente, vou poder fingir que sou modelo e atriz, haha...
Afinal de contas, eu já não to tão envolvida nisso?Aproveito e apareço no clipe, de uma vez.

Minha mãe já ta publicando o livro dela.Meu avô não mediu esforços para ele ser lançado o mais rápido possível, e assim foi. "Entre gnomos e poções" conta a história de Letícia, uma garota de 16 anos que descobre que é fruto da união proibida entre uma fada e um bruxo.Com os poderes do bem e do mal, seus pais a abandonam, pois ela é tão poderosa que atrairia os dois mundos contra eles.Sem saber como lidar com isso e a desconfiança de seus pais adotivos quanto a sua descoberta, ela mete os pés pelas mãos.
Até que é bom sabe. Fizeram até uma tarde de autógrafos na livraria onde ele ta sendo vendido.Vi o Eugênio com um livro de clássicos do rock na mão, mas antes que eu alcançasse ele, sei la, ele sumiu.

domingo, 14 de outubro de 2012

Striptease da alma


Acima de tudo, acho que escrever é ter um amor absurdo pelas palavras. É ter respeito com cada letra. Tem gente que insiste em dizer que o escritor escreve apenas sobre a própria vida. Mentira. Um escritor inventa a própria vida. Mas o bom escritor é aquele que escreve com tanto amor que tudo parece ser verdade, cada verbo, cada ponto. Escrever é que nem atuar: a gente veste personagens, humores, amores. E depois tira tudo. É um striptease da alma.
Clarissa Côrrea ♥

Bom, eu poderia escrever mais textos e textos explicando meu amor pelas palavras.Mas essas 5 linhas dessa ótima(não só boa minha querida, ótima)descrever tudo o que sinto.
Quando resolvi criar esse blog, tinha ideia que ele poderia ficar as moscas.Então, criei ele não só para os outros lerem,mas para mim.Pra mim me desprender das minhas palavras,para elas ficassem ao alcance de qualquer um, e talvez de alguma forma ajudar alguém.Ta, talvez esteja me faltando modéstia,mas enfim.
Tenho um longo caminho a frente, e eu quero crescer.Quero que as pessoas me conheçam pelo que eu escrevo, quero que alguém se identifique com minhas ideias.
Por isso,se tiver lendo esse texto, me deixa um recadinho aqui embaixo.Isso vai me deixar feliz pra caralho,acredite.Uma leitora eu sei que tenho (Maira, sua linda ♥)e até que uma pessoa leia meus textos, eu não vou desistir.Obrigada.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Perdida


As vezes, eu me sinto perdida, perdida dentro de mim mesma.As vezes, estou quieta e me pedem se estou bem e eu digo que estou, mesmo não estando.Mas se não estou, o que tenho?
Vivo com essa inquietação, essa mania de esperar alguma coisa que eu não sei o que é, sonhar com uma pessoa que eu não conheço o rosto.Com essa sensação de que algo esta errado, ou faltando.
Sempre sonhei em ser aquela garota dos cabelos compridos e cheios de ondas.A garota das pernas longas, da calça jeans, da regata larga e fresquinha, da bolsa no ombro, dos fones nos ouvidos, das unhas curtas, do pensamento ao longe.Aquela garota que não chama tanta atenção, mas que encanta, e que é chamada de linda, não de gostosa.Sempre quis ser aquela quieta, mas engraçada, interessante, inteligente.
Ah, como eu queria as pontas dos meus longos cabelos coloridas, como eu queria levar meu diário de um lado e do outro, como eu queria ser aquela que alguém quer desvendar.Como eu queria ser aquela que alguém acha única, que seria capaz de mudar alguém.
Eu fico idealizando aquela que eu queria tanto ser, aquela garota que tem uma parte de mim.E por mais que eu queira, eu não sou essa garota.Isso me frusta demais.
Mas o que eu posso fazer?Gostaria tanto de viver dentro dos meus livros, ter um final feliz.Mas ai eu me lembro que essa é a vida real, e o final é a morte, da qual ninguém escapa.Então agora, com o coração um pouco mais leve depois de escrever,como sempre acontece, eu vou respirar fundo, me virar com o cabelo que eu tenho, com o corpo e roupas que me cabem e vou vivendo um dia de cada vez, tentando ser feliz com as pessoas e coisas que fazem parte da minha vida.

Diário perdido



Capítulo XIV

Se tivesse você

A Monique passou e nós fomos.Depois do King-Kong da minha mãe perguntando pra Moni de ela era lésbica ("Não!" -Ah, tudo bem!"), eu fiquei com um pouco de vergonha né?Mas ai, a fofa disse que tudo bem,era só coisa de mãe preocupada mesmo.Ah,tá!
Mas o negócio era o seguinte: a Moni estava indo começar a gravar o clipe da música "Se tivesse você" da banda Cristal de Ferro.

-Nunca ouvi falar.
-Pois é.Eles tão começando,esse é o primeiro clipe.Todos eles compõem,então nesses quatro meses eles já tem 10 composições próprias,que fazem certo sucesso com o público do show deles.
-Ta,mas como é que tu entrou nisso?
-Eu sou amigo do André, que é o o baixista.
-Quantos anos ele tem?
-21.
-Hum.E quem mais faz parte do grupo?
-A guitarrista, Mariah Gi, tem 16, o baterista Felipe,15,os vocalistas Antonia,18, e o Vítor,19.
-Parece que é uma boa banda.
-E é.Cada um desempenha muito bem o seu papel e formam um grupo em harmonia.
-Já ouviu outras músicas deles?
-Claro.Uma hora a gente combina de ir a um show deles, ta bem?
-Por mim, vai ser ótimo.
Ela me olhou de lado.
-É, você ta precisando sair.
-Com certeza.

Bom, ai a gente chegou lá.Lá,seria uma garagem, mais precisamente a garagem da casa do Vítor.Ali seria gravado eles cantando e tocando.
-É isso ai galerinha, vou gravar vocês pra depois fazer a edição e tudo mais, ok?
Foi até mais simples do que eu pensava.Eles tocaram uma vez, ai começou a gravação.1, 2 vezes.  A terceira ficou perfeita.Coisa de uma hora.
Mas foi bom ter ido junto. O astral tava ótimo, e eu me diverti.Amei a música.Quando eu cheguei em casa e reli a letra que eu tinha copiado, eu chorei.
Era simplesmente o que eu sentia transcrito no papel.
Lindo,lindo.
É, isso ainda dói.

Capítulo XV

O caminho mais fácil nem sempre é melhor que o da dor...

A minha mãe ta numa era zen.Paz total.
Uma noite dessas, deu a louca de ir em um luau.Conheceu um cara e entrou na vibe dele.
Ai, isso não vai acabar bem.
Mudou de estilo, opinião,gosto.Até redecorou a nossa casa.Agora, só motivos florais, paz e amor, reggae no rádio e tudo mais.Meu quarto anda trancado desde então.
Sabe qual é a pior?Inventou de escrever um livro.É sério.
Eu, obviamente, pensei que ela tinha pirado de vez.Mas vem a minha mãe e me surpreende.
Finalmente ela descobriu algo que faz bem, bem pra valer.
É óbvio que meu avô apoiou.Afinal, "é sempre bom apoiar sua mãe na busca do que é melhor pra ela".Porra, ela tem 33 anos e ainda não descobriu o que quer!
Detalhe:ela ta namorando com o César há quatro semanas.Isso é um recorde!Ele ta apoiando muito ela nesse negócio do livro.Um doido apoiando uma louca nessa ideia estranha.Medo!
Mas vale a experiência. Eu acho.E o pior é que ela até já fechou com uma editora.Meu avô, vou te contar...
Mas ela meio que me inspirou.To a fim de mudar.E mudar pra valer.Vou comprar uma tinta, pintar o meu quarto, mudar os móveis de lugar, jogar coisas inúteis fora, reciclar ideias.
Quero pintar os cabelos, colocar um piercing, fazer uma tatuagem.
Quero e preciso mudar.To cansada do que vejo no espelho todos os dias.
Vou invadir uma loja de roupas, vou dar as velhas pra um orfanato, vou fumar um cigarro.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Diário perdido




Capítulo XI

Light on my heart 

Sexta-feira, 19:58 e eu a 4 quadras do shopping, numa fila de carros parados por causa de um acidente.
-Liga pra ele, filha!

-Já tentei,mas da ocupado!
E ali eu fiquei.Quando consegui falar com o Fábio,ele disse que viria me buscar a pé.
-Impossível.
"Me diz a placa do carro e a cor."
-Prata, IMB  8190.
"Ok,espera ai."
E não é que ele veio mesmo?
Pausa para o momento que morri de amores.
Minha mãe também se encantou.Acabou que nós dois ficamos em uma sorveteria ali mesmo, e ela voltando pra casa.
-Eu tenho muita sorte, sabia?
-Ah,e por quê?
-Porque eu sou o cara que está com a garota mais linda dessa sorveteria.
Baixei um pouco a voz.
-Mentira.Essa mulher a sua esquerda é linda.
Ele olhou.
-É verdade.E você é encantadora, sensível e modesta.É,você é a mais linda,por dentro e por fora.
-Como é que tu pode saber s não conhece as outras?Ou conhece?
-Se você olhar para a mesma mulher que citou,verá que ela faz caras e bocas, e o cara que ta com ela demonstra o menor entusiasmo possível.
-Você é mais atento do que eu.
-Pode ser.
-Mas como tu pode saber que eu sou melhor que qualquer outra daqui?
-Eu vi através dos teus olhos.Teu olhar é especial,único.Porque tem a sua marca.E você é especial.



Capítulo XII

How you make me weak

Eu tava meio perdida.Em plena quarta-feira, o Fábio tinha me trazido pro aniversário de uma prima.
-Eu não entendi ainda por que você me trouxe junto.

-Porque eu gosto de você,de sair contigo.
-Ok,mas é o aniversário da tua prima.
-Ah, qual é, tu ta vendo que essa não é uma festa familiar.
Ele pegou a minha mão e me levou até uma ponta da sala.


-Oi Thais!

-Oi primo!Tudo bem?
-Flor,essa é a Larissa.Lari,essa é a nossa aniversariante.
-Ah, parabéns!!
-Obrigada lindinha!E ai, tão curtindo a festa?
-Na verdade,a gente acabou de chegar.Amor,vou apresentar a Lah pro resto do pessoal.
-Fica a vontade.Você sabe que essa casa também é tua.
-Minha linda...Mil parabéns pra ti!

Ficamos andando,bebendo.Ai, fomos dançar.

You were everything, everything that I wanted

We were meant to be, supposed to be
But we lost it
All of our memories so close to me
Just fade away
All this time you were pretending
So much for my happy ending
Oh oh, oh oh, oh oh...
So much for my happy ending
Oh oh, oh oh, oh oh...
Oh oh, oh oh, oh oh..

Quando acabou a musica, ele me levou pra varanda,que tava deserta.Só a lua acompanhava nós dois.

-Como é Fábio?
-Eu te amo.Pra sempre.
E me beijou de novo.

Capítulo XIII



And i stare at the phone...he still hasn't called

127 horas e vinte minutos desde que eu o vi o pela ultima vez.Ele não m ligou mais e nem atende meus telefonemas.Isso ta doendo.

Poxa, ele disse que me amava.
Isso dói muito.
Como ele pode fazer isso comigo?Chegou em mim,pediu meu numero.
Retornou,quis me ver.
E eu,boba,acreditei que ele me amava.
Droga,droga,droga.
Eu sei que não devia ter me apaixonado.Mas parece que eu não penso...Gosta daquele que não ta nem ai pra mim e perco o interesse em quem merece.
I-D-I-O-T-A!
Eu preciso falar com alguém.
A Isis não ta no MSN. A mãe vai falar que eu sou tonta,por acreditar em homens.
Ah,uma luz.A Monique.
Mal conheço a mulher...ah, quer saber,foda-se.
"Alô!"
-Monique?
"É ela,quem ta falando?"
-É a Larissa,lembra de mim?A gente se conheceu numa festa há uns dias!
"Ah,claro que lembro.O que aconteceu flor?Tua voz ta estranha!"
Ok,foi ela quem pediu.
-Eu to morrendo.Me apaixonei por um garoto na mesma noite,ele disse que me amava e agora nem presta atenção em mim!
"É...o que eu posso te dizer...nunca acredite num cara que diz"eu te amo" antes de no minimo dos mínimos um mês de namoro.
-Idiota, imbecil,boba que eu sou!
"Não,ingênua.Garotas de 14 anos são ingênuas.Aos poucos você aprende.Era mais velho?"
-17.
"Explicado."
-Eu vou morrer.
"Calma.Tudo passa.Mas,que tal se divertir um pouco?"
-Como?
"Acompanhar a pré-gravação daquele clipe que eu te falei."
-Você conseguiu!
"É,topa?"
-Acho ótimo.
"Me passa teu endereço que eu vou te buscar."
-Rua Martins Souza Filho,n° 804, apê 602.Toca interfone.
"Passo ai daqui uns 45 minutos,ok? E esteja linda!"
-Obrigada pela força.Vou te esperar então.
"Mas...sua mãe não vai querer falar comigo antes?"
-Sei la!
"Passa o telefone pra ela."
Fui pra cozinha, expliquei correndo a situação,e mal terminei,ela pegou o telefone da minha mão.
-Alô!
 ...
-Você é lésbica?
 ... (!)
-Tudo bem...desculpa.Ah, por favor,devolva o brilho pros olhos dela,ta?
Minha mãe é uma viciada.E eu amo ela.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Carões, biquinhos e peitos de fora



Hoje á tarde, na minha sala de aula, alguns meninos entraram no assunto de fotos do Facebook.Uma é a que faz bico de pato, outra é a que só tira foto da bunda, outra que "sensualiza" de pijama.Além disso, ouvi-os reclamar daquelas meninas que pedem pra perguntar no ask, mas que reclamam que os outros cuidam da sua vida.
Então, fiquei pensando.Será que uma foto pode determinar quem uma pessoa é?Porque notei que isso é um assunto que não passa despercebido para ninguém.Acredito que a gente não deve se expor ao extremo,mas acho também que muitas vezes é radical o julgamento: se tu posta uma foto de short e blusinha, já podem te chamar de puta.
Pois bem.Desde cedo eu faço Schoenstatt, e ali construí uma postura mais discreta,aprendi a me valorizar mais, mas também aprendi que não devemos julgar ninguém sem conhecer a história dela.

Depois me passou uma coisa pela cabeça:será que se olhassem os meus textos, iriam sair comentando, julgando?Aqui exponho meus sentimentos,minhas opiniões, minhas alegrias.Talvez isso me prejudique daqui um tempo,essa exposição me traga alguma "encrenca".Mas quer saber?Nunca fiz mal a ninguém, lê quem quer, fala mal ou fala bem, o importante é que falem.Criticas ditas no olho a olho, serão aceitas.O resto é tudo papo desnecessário e sem valor nenhum pra mim.

Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida no Depois dos Quinze

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Diário Perdido




Capítulo IX

Quando a noite surgia

Minha adorável e agora calmíssima e vegetariana mãe vive dizendo que eu não sou normal.Não que eu não tenha um órgão, não fale, ou seja uma retardada.É que ela acha que eu me preocupo demais pra minha idade.Me preocupo demais se eu fui mal na escola, me preocupo demais em ter comida em casa...Me preocupo demais em ter ela em casa.
Eu até me acho bem parecida com ela.Não que eu goste tanto disso, mas é que ela tem um lado alegre e espontâneo que eu tanto amo e que, segundo o meu vô, eu também tenho.Ela também vive me dizendo que eu tenho os olhos dela, além do rosto, dos cabelos...segundo ela, eu sou sua cópia.Não que eu tenha tanta certeza disso, né, mas...
Só que eu sou normal.Eu gosto de festa, eu mudo tanto de opinião...
E o melhor é que a gente vai nas festas juntas.A gente entra junto, mas depois ela se cansa, vai em outra, em outra, depois me leva pra casa, e vai pra outra ainda...
Uma noite dessas, fui busca um refri e sentei ao lado de uma guria, que era linda.Ela tava com uma cerveja, e logo se virou para mim.

-Você pode ficar aqui sozinha?
-A minha mãe deixou, então, eu acho que posso sim.
-Você tem sorte que a sua mãe é tão liberal assim.Com a sua idade, não passava nem pela cabeça dos meus pais me deixar sair de madrugada sozinha.Ela te trouxe?
-Aham. Mas eu tenho certeza que foi bem melhor pra você os seus pais terem sido assim com você. 
-É,talvez. Monique, e você?
-Larissa.
-Então, Lari, você tem o que...14?
-Isso.E você?
-21.
-Faz faculdade?
-Não, sou fotógrafa.Ultimamente tenho feito uns cursos e to me dedicando ao cinema.
-Nossa, deve ser bem legal.
-É mesmo.To negociando pra fazer um clipe.Vai ser uma oportunidade muito boa, e vai ser muito bom fazer.
-E como é que funciona as coisas?
-Em geral, quem me contrata me dá uma base,me diz em que tom mais ou menos quer cada coisa.E eu aperfeiçoo-o.Mas essa vai ser meu primeiro trabalho assim sério mesmo.

Ficamos conversando mais um pouco, dançamos, sentamos pra descansar,peguei refri e ela me acompanhou.Então, me deu fome e eu resolvi ligar pra minha mãe.
Peguei o número da Moni, e fui esperar a mãe na porta.Quando ela chegou, fomos comer uma pizza.
Depois a gente foi pra outra festa,e ela se sumiu.
Fiquei por ali, até que ele apareceu.
Ele seria Fábio.16 anos, alto, magro,moreno, olho pretão.Lindo de morrer.
Pediu se eu queria dançar, e , como eu aceitei, ficou conversando comigo.E eu, nem me ligando no que ia respondendo.
E a gente ficou dançando, e eu olhando o jeito que ele falava...
Aí minha mãe me achou pra ir pra casa.Merda.Passei meu numero e a gente foi embora.
Mal consegui dormir.E ainda tive que acordar cedo pra ir no mercado.



Capítulo X

You everything,everything that i wanted.

Tava eu, bem feliz, ouvindo musica e tentando fazer o dever de matemática, quando meu celular tocou:numero desconhecido.Meio assim, eu atendi.

-Alô!
"Oi, Larissa.Lembra de mim?"
-Você...seria?
"Fábio, te conheci sábado, na Ha..."
-Sei, sei quem você é.
"Ufaa...achei que não ia reconhecer minha voz."
-É,você deu sorte.
"Pois é.Você saiu de la meio tirada né, ai eu pensei...Puxa, tenho o número dela, por que não ligo?"
-E por que você teria que ligar?
"Pra ouvir tua voz, de novo."
OMG!
-Pois é.
"Sabia que você é encantadora?"
-Ninguém nunca me disse isso,sabia?
"É.Caras normais te chamam de linda, de gostosa, de apaixonante,e tal.Eu, te acho encantadora."
-Se a gente soubesse mais do que o nome um do outro, eu diria que isso é um telefonema romântico.
"Bom, deixa eu fazer a minha parte.Fábio Nascimento, 16 anos, câncer,1,80,olhos e cabelos castanho-escuros.E modéstia a parte, bonito.E aí,isso começa a fazer desse um telefonema romântico?"
-Com certeza.Isso muda tudo.
"Foi o que eu pensei"
-Modéstia adicionada a lista.
"Ok.Então, sexta-feira,Shopping Lírio do Sol, 20 horas, na entrada?"

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Estrelas do céu


Eu sempre amei as palavras.Desde que aprendi as ler, nenhuma me passava despercebida.Tive a sorte de ter uma professora maravilhosa na terceira série, que me apresentou O menino do dedo verde.Com certeza, isso mudou minha vida.
Mas então, depois de centenas e centenas de livros, eu descobri que eu gostava de escrever também.E depois de alguns 10 em redação, eu descobri também que era boa nisso.Só que eu tinha uma vergonha enorme disso, das minhas palavras.Não queria que as pessoas tomassem conhecimento delas, por medo de não gostarem.
Aos poucos, eu fui descobrindo que pra tudo na vida, haverá pessoas que te critiquem, que não gostem das coisas que você faz, e estão no direito delas, desde que não hajam de forma muito radical em relação a você.E então um "anjo" de olhos azuis e sorriso fofo me deu uma oportunidade, que me mostrou que eu tinha sim, que dar uma chance pras minhas histórias.
E aqui estou eu.Escrevendo.Sei que pode ser que ninguém leia isso, mas ta aqui, disponivel pra qualquer um.Pra quem sabe encantar alguém.Fazer feliz, tanto quanto me faz.Porque as palavras me fazem feliz.Confesso que nem sempre as minhas são totalmente sinceras, mas as pessoas cometem erros.E eu to tentando viver a vida que eu quero.Agradecendo a quem se importa com as coisas que escrevo.Porque isso significa tudo pra mim.
Palavras são as estrelas do meu céu.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Diário perdido


Capítulo VI

Universo

Quando levantei na manhã seguinte, minha mãe estava na cozinha, preparando um café.Aliás, o café dela é o meu favorito.Em alguma coisa ela tem que ser boa.
-Oi filha.Nem vi que você tava em casa.
-Claro que não.Quando você chegou eu tava velha na cama.
-E então, o que fez de bom ontem?
-Sai com o Guto.
-O do clube?
-Esse mesmo.
-Ainda ele?
-Mãe, eu não sou tipo nenhuma puta, ta bom?
-Filha, você sabe que eu não quis dizer isso.Só que eu acho que você é muito nova pra se prender a alguém.
-Mãe, eu não to me prendendo em ninguém,ta bom?
-Certo.
Peguei uma xícara de café e comecei a comer uma torrada.
-Não tenho a mínima idéia do que fazer pro almoço.O que você acha da gente ir pro shopping?
-Adorei.
Fazer compras com a minha mãe é simplesmente ótimo.A gente se diverte tanto!
A gente comprou de tudo.Coisas pra casa, roupa,sapato...
Almoçamos e nos entupimos de sorvete,rindo muito de tudo.É,compras seguido de sorvete tem um efeito sobre nós idêntico ao do álcool.Experiencia própria.Ja tomei um porre com a minha mãe.Obvio que voltamos de táxi.Foi extraordinário.
Logo depois que chegamos em casa, o Guto me ligou.Impressionante como no MSN a gente trava...Já no telefone, tagarelamos sobre tudo,sem parar.
Desliguei e fui tomar banho pisando nas nuvens.



Capítulo VII

Buscando você em minha mente

E o tempo foi passando.Entra semana,sai semana,eu e o Guto fomos nos vendo, se falando.Cada dia eu gostava mais de estar com ele,do jeito que ele me tratava.
Um dia desses,ele me ligou.Disse que precisava me ver.Disse que a gente podia se encontrar no clube.Feito.
Já lá, a gente ficou conversando sobre tudo.Ele falava comigo olhando nos meus olhos, não largava a minha mão, ouvia tudo o que eu falava.E o jeito que ele me olhava então...Foi ótimo.Ele pegou a câmera que tinha levado junto, e a gente começou a tirar foto.Tiramos um monte, e cada vez a gente ria mais.
Até que começou a chover.Bem de boba, soltei no ato:"Vamos tomar banho de chuva?"Doido que é doido anda com doido.Claro que ele aceitou.
Preciso fala que isso foi divertido demais?
Ficamos la, rindo,correndo, no balanço...
Pena que chegou uma hora que o clube fechava e a gente teve que ir pra casa, ensopados mesmo.
Ele prometeu mandar as fotos assim que passasse da digital, e mandou mesmo.
Fiquei olhando elas, até que reparei em uma e tive que imprimi.Com ela nas mãos, mentalmente criei uma legenda super apaixonada:"Ele estava de pé,e suas mãos enrolavam a cintura dela, como se a segurasse.Boa parte do rosto dela estava enterrado no peito dele,mas o sorriso estampado no rosto de ambos brilhava tanto que era impossível não ser notado"
Ah, eu sou uma perfeita idiota.
Naquela madrugada, tipo umas 4 da manhã eu acordei assustada, com meu celular vibrando.Um torpedo dele.
"To indo dormi.se te acordei,dsclpa,mas era essa a intençao.pra vc sb que eu to pensando em ti, e que só vc me faz feliz.boa noite,minha linda."
Valeu a pena o susto.Amei o jeito que ele disse que era importante me lembrar em qualquer momento que eu faço ele feliz.Até porque, eu também acho,vejo,escuto,sinto isso.Com toda intensidade possível.


Capítulo VIII

Agora eu sei

Eu aprendi uma lição, que acho que vou levar pra vida toda: a gente pode levar meses para construir e colocar forma em um sentimento, e ai bate uma coisa estranha no peito que destrói isso em muito pouco tempo.
Acabei de tomar banho, e to fazendo uma coisa bem incomum para um sábado: eram apenas três da tarde quando fui pro quarto, coloquei o pijama e me enfiei debaixo das cobertas.
E assim passei por horas.
Pensando.
Lembrando.
Tentando entender.
Pensando em tudo o que eu vivi. Foram momentos tão lindos, tão fortes. Lembrando que programas simples como tomar um sorvete serviram para me fazer me apaixonar pelo Guto. Do efeito que as palavras, os olhares, os momentos com ele provocavam em mim até... Ontem, anteontem?Lembrando que o simples toque dos dedos dele nos meus faziam energizar todo o meu corpo.
Tentando entender por que acabou. Tudo corria bem, perfeito, até que eu percebi que tinha acabado tudo. Perdeu o sentido, a explicação para mim.
O que mais dói foi ter de dizer isso a ele. Afinal, o que é pior: ficar com quem não gostamos mais e iludir ele ou acabar precocemente o que pra ele ainda não acabou?
Porque ele significou muito pra mim. Ainda significa. Tudo o que eu passei com ele eu vou levar pra sempre. Ele foi o primeiro menino que eu gostei de verdade. E dói pra mim também não gostar mais dele. E se dependesse só de mim...
Por que tem que ser assim?
Espero que eu aprenda a lidar com isso.Que um dia eu volte ao normal.Que eu esqueça o rosto de dor que o Guto fez. Quero esquecer o meu próprio rosto e coração quando eu olhei pra ele daquele jeito.Espero que eu esqueça disso tudo, e fique só com as coisas boas.
Esperando, inutilmente, que eu nunca passe por isso.



segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O melhor da vida


Algumas noites, aqui estou e ouço ao fundo a novela das nove.E ao ver aquelas crianças com a infância roubada, largadas naquele lixão,sujeitas a todas as coisas ruins que tem no mundo, eu me transporto para a minha própria época de criança.
Nunca tive uma casa na árvore muito menos abri a porta de um guarda-roupa e dei de cara com Nárnia.Nunca sempre tive tudo o que quis , mas sempre fui feliz.
Desde novinha, as pessoas da minha casa se acostumaram a me ouvir conversando sozinha.Desde que aprendi a ler, uma simples brincadeira de casinha se transformava num drama, onde as pessoas tinham passado, presente e futuro, em que tudo tinha um porque, uma razão.
Depois, descobri o poder da amizade.Jogava bola, brincava de esconde esconde, ficada até oito horas da noite na rua e ninguém corria o risco de uma bala perdida.E agora, anos depois e sem mais ver metade daquelas vizinhas que fazem parte das minhas memórias,eu vejo o quanto elas foram essenciais para mim.
Eu achava que crescer seria bom.Que eu teria um romance daqueles de novela, queria publicar meus livros, ter minhas coisas.Mas agora, eu vejo que eu era mais feliz antes, quando um banho de piscina de mil litros era o melhor programa da tarde, e o grande evento de sábados a noite eram posões e conversas sobre o então protagonista da malhação.E vendo algumas meninas de hoje, que perdem a sua beleza inocente com quilos de maquiagem e aos 12 já pegaram metade da cidade, eu vejo o quanto minha mãe fez bem em impor limites pra mim.Porque eu posso dizer com toda a certeza que vivi tudo o que tinha direito, e que o melhor da vida é ser criança.

“Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida no Depois dos Quinze

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Just Breathe


"O que te faz falta?"
Li essa pergunta e me veio milhares de coisas em mente...então lembrei da pessoa que eu costumava ser.O que restou além dos óculos e dos cabelos temperamentais?
Lia três horas por dia e escrevia por mais três.Vivia no mundo dos sonhos, pensando nos meus garotos imaginários.E de um ano pra cá, resolvi viver minha  realidade e dar espaço para meninos reais.
Sorri,fui feliz, fiquei com marcas e me decepcionei.Não só com as pessoas, mas comigo mesma.Ultimamente só respiro e vou vivendo automaticamente,tentando ignorar certas coisas, passar por cima de outras tantas e esperando as cicatrizes fecharem.Se eu sorrio? Sim. Não dizem que o que os olhos não veem o coração não sente?Então,ninguém precisa saber do que se passa dentro de mim.
As vezes me parece tão bom ficar deitada, sonhando.Sem ter que encarar o mundo real e seus problemas.Mas a gente tem que colocar o edredom de lado, respirar fundo e levantar, começar de novo,todos os dias, nem que não seja do jeito que a gente quer.Algumas coisas dão raiva, dor, arrependimento,angústia.Eu choro.As vezes, alivia, outras,piora.
Mas a gente tem que recomeçar.Não importa o que passou, e sim o que ainda pode ser feito.Decidi ficar sozinha, confiar somente em poucas pessoas, sair, me cuidar, rir, e escrever.Porque essa é a minha salvação.Minhas palavras sempre serão o melhor pra mim.Se eu não fizer de tudo pra ser feliz, quem fará isso por mim?

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Diário perdido

A pedidos da Maíra,minha linda ♥

Capítulo III

Querer voar

Bom dia mundo,bom dia viida!
Ah,hoje eu acordei tão feliz.Levantei e o dia já tava pela metade,comi qualquer coisa e fiquei por ai, sem fazer nada...
É tão gostoso não ter que me preocupar com nada!
Bom,na verdade tem a minha mãe.Ontem ela me deixou em casa e nem sei para onde foi.
Ah,mas deixa eu ficar pensando na parte boa de tudo...
Fiquei com um menino muito lindo ontem.Sabe que, agora pensando,eu não lembro o nome dele...Mas foi tão bom.Ele é tão legal...tudo foi muito legal.
É tão bom poder conhecer alguém,gostar da companhia e tal,mas não se apegar,não criar uma relação.
Mas toda essa liberdade não chega a tanto.Eu não saiu ficando com qualquer,assim, vários na mesma hora.Não, prefiro assim,aproveitar bem cada pessoa que entra na minha vida.Mesmo que seja só por duas horas.
Ai, a chata da Isabel acabou de me ligar.Disse que ta saindo com um menino lindo,olho azul,estilo príncipe encantado.Ficou me falando o quanto ele gosta dela...Depois me pediu desculpa, porque "você não ta com ninguém".Cobra.To pouco me importando,quero só ver até quando dura esse amor todo.
Minha mãe acabou de chegar.Não sei nem como ela lembrou onde morava.Eu sou a prova viva da "responsabilidade" dela.
Ah, ela e a Isabel devem ta combinadas de estragar meu dia, só pode.
Quer saber?Dane-se.



Capítulo IV

Mais

Ah, esse final de semana ta tão bom...
Ontem a noite foi tão boa, e hoje, to eu aqui com o Guto, no clube.
Ele é o primo do Marcelo, um garoto que ta sempre por aqui.Conhecia já ele, mas sempre o achei muito metido.
De manhã, eu já tava por aqui quando eles chegaram.Ficamos jogando sinuca enquanto conversávamos.Descobri que eu gostava do jeito dele.
Então, de tarde fomos pra piscina.E eu fiquei com ele.
Conversamos de tudo, e ele até riu da minha mãe,mesmo eu com vontade de mata-la.
O chato é que eu tive que aguentar o Marcelo todo tempo,sabe, não sei como ele conseguiu segurar vela, mesmo naqueles momentos de love total, de juras de amor eterno e incondicional(mentirinha,passou bem longe disso).
Mas mesmo assim.
E ele foi tão fofo, o tempo todo.Prestava atenção no que eu falava, e não ficava olhando pra aquelas meninas de biquíni ao redor, que tinha aos montes.Na hora de ir embora, ele me deu um abraço e me beijou na testa.Pediu meu MSN.
Sabe, gostei.



Capítulo V

Salto 15

Eu achei, sinceramente, que o Guto não ia me adicionar no MSN.Ah, sei la, pediu por pedi, como todo menino faz, eu pensei.
Ta, mas eu tava enganada.
Quando eu vi, tinha um Augusto Morais me adicionando.
Dai, a gente começou a conversar...
Não, a gente não começou a conversar.
Rolou um oi, tudo bem, coisa e tal por uns dois dias.Então ele pediu meu número.
Dai sim a gente começou a conversar de verdade.
Ele me ligava e a gente passava um tempão falando besteira.
Até que ele pediu pra me ver.A gente saiu, nos entupimos de batata-frita e rimos muito.
Não eram onze horas daquele sábado ainda quando a gente foi pra uma festa.Era numa boate, e era livre, e a gente sentou e ficou bebendo refri.
Consegui derrubar boa parte do que tinha no meu copo no chão,e veio um cara, com uma garrafa de cerveja na mão.Quando eu olhei, ele ja tava no chão, deitado, com uma cara de vergonha.Até tentei segurar, mas acabei rindo.Muito.
Pegamos um táxi e ele me deixou na porta de casa, com um beijo.
Passei no quarto da minha mãe, inutilmente, ja que era obvio que ela ainda não tinha voltado.
Então fui pro meu próprio, meio abobada.Porque eu tava ficando...apaixonada.

domingo, 26 de agosto de 2012

Diário perdido



Ano passado, eu postava essa história no blog do Matheus, o Magonnite(meu parceiro agora)e parei,nem sei o porquê.Então,pra relembrar,vou postar aqui :D

Capítulo I

Desordem
Oito da manhã de um sábado.O vizinho do 402 desce com as sacolas de lixo,como toda manhã.O seu Olívio,da padaria,está varrendo seu ganha pão,sem ironias.O sol já está quente e as madames do bairro estão indo para a academia.Os carros passam.O Chico,da banca de jornais,deve estar pensando:o que uma garota de 14 faz,em pleno sábado,as oito da manhã,na sacada de casa,só de pijama?E é isso que ele me pergunta quando desço buscar uma revista qualquer na banca."Só observando",digo eu.Em resposta,ele solta"Vocês adolescentes,cheios de excentricidades." Eu subo folheando a revista.Por que eu ainda leio essas coisas bobas de jovens frustradas se isso não me interessa?Pra ter assunto.Mesmo não gostando,seria estranho se eu não soubesse quem é,por exemplo, o Justin Bieber.Eu afastaria todo mundo.Se é que é possível se perder algo que não se tem.São sentimentos,perguntas,pensamentos,que se enrolam e se confundem.Posso até tentar formar uma opinião,mas pra isso tenho que observar.Foi o que eu fiz essa manhã.Mas preciso buscar um horizonte novo a cada dia.Um parque,um supermercado,uma igreja, um hospital.São muitas formas de interpretar uma mesma coisa.Pra saber exatamente o que você pensa,não é fácil:é necessário filtrar o melhor de cada pessoa,cada momento,e completar com um toque seu.Quem disse que não somos influenciados nem um pouco pelo mundo,era louco.Se a Ingrid Guimarães aparece na sua TV dizendo que mais de 2 milhões de pessoas assistiram De pernas pro ar,você vai ou não ficar curioso?

Capítulo II
Little patience
Segunda-feira, no colégio. O porteiro te recebe com um sorrisão no rosto,e diz um animado “bom dia”Intimamente,ele se pergunta por que não participou da seleção para vigia noturno.Evitaria alguns constrangimentos. Como toda segunda,pairam no ar os restos do fim de semana.É Edu e Serena que terminaram,é Luísa que tomou o maior porre e pagou mico, é Diogo e Catarina que finalmente se pegaram na sexta.São informações preciosas para futuras mulheres frutas,mas para quem usa a cabeça para algo mais produtivo que segurar o cabelo e se fantasiar de Globeleza,são apenas fofocas.Coisas para mentes pequenas. E depois dizem que o mundo mudou,que os homens e mulheres tem direitos e deveres iguais.Será que é totalmente verdade? Vamos a um fato.Os meninos pegam qualquer roupa do guarda-roupa,passam desodorante,escovam os dentes,passam no máximo um perfume e estão prontos para qualquer coisa.Isso leva o que,dez minutos? Já as meninas...ah,as meninas.Puxam o guarda roupa inteiro pra fora,pegam essa e aquela roupa,e enfim decidem,a muito custo e vão para a maquiagem.Base,corretivo,pó.Finalizam com blush,lápis e rímel.Escovam os dentes,passam fio e enxaguante bucal.Desodorante,perfume.Depois,vem a tortura do cabelo.Pegam e arrumam a bolsa e deu.Coisa básica de no mínimo uma hora.Ah,antes de sair de casa dão uma conferidinha no espelho e aproveitam para uma arrumadinha rápida na sobrancelha. Por que isso tudo hein?O que será que aconteceria se a gente saísse de pijama e cara lavada na rua? E,analisando tudo isso, em meio a verbos,sociedade medieval e equações,a semana passa e leva com ela todas as suas ironias existenciais.



quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Caso perdido?




Me perguntam todos os dias o que me faz estar com você.Se eu perdi a cabeça ao me envolver contigo.E bem, pensando, eu não sei dizer o que me prende a você.
Sabe, as vezes você me encanta.Com o modo que me abraça, que sorri, ou pelo modo com que fala.Reparo em cada virgula que você diz, e acredite, mesmo não sendo pra mim, fico tentando achar nas entrelinhas mensagens para mim.Eu sei, sou um caso perdido.
Mas as vezes, eu sinto como se teu corpo tivesse aqui,mas sua mente não.Eu sinto como se teu braço tivesse ao redor do meu ombro sim,mas que teu coração não pertencesse a mim.E, nos meus piores momentos, eu fico fantasiando de quem ele é.
As pessoas que se preocupam comigo me pedem se a gente ta junto."Sim, eu acho?"Respondo como se nem eu mesma soubesse.E não sei mesmo.Nem mesmo sei o por que não sei.Sinto as vezes que você só me abraça, só me beija porque é assim que é há dois meses, porque é assim que eu espero.Será que você só me quer perto de ti pra não me decepcionar?
Meu Deus, por que eu não consigo pedir, falar isso tudo com você?Namoro era pra ser assim né, um se importando com o outro, um cuidando do outro, um sabendo do sentimento do outro.Mais do que isso, compartilhando um sentimento.
E bem, eu sei que tudo isso é como uma bomba-relógio.Tua presença tem prazo para não existir mais."O que você vai fazer quando ele não estiver mais aqui?"me pediram hoje.Sinceramente, não sei.Só sei que agora, ver você perto, mas estando tão longe, ta doendo pra caralho.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

A gente bem que podia dar certo


Deito minha cabeça no travesseiro, coloco os fones e, ao me enrolar nas cobertas, espero o sono vir.Mas ele não vem, e no lugar dele, vem as lembranças.
Eu sinto o seu perfume como se fosse você aqui, ao invés do escuro.Eu fecho os olhos e lembro do teu sorriso, do modo como você sorri e demonstra afeto.
Eu sinto meu ombro formigar, como se você ainda tivesse repousando sua cabeça ali.Eu passo a mão  no pescoço e sinto aonde você me mordeu e lembro do modo como você fez cócegas nas minhas costas.
Eu respiro fundo, e lembro do arrepio que sinto quando você me puxa pela cintura e me beija.Do jeito que você fica me olhando, me fazendo sorrir sem motivo.Fico lembrando do teu braço passando por trás das minhas costas, me puxando pra perto de ti,como se quisesse que eu ali ficasse, só pra ti.Ah, se você soubesse o quanto me faz bem o teu abraço...
Eu não me importo com teu jeito meio tosco, com o modo com que você brinca comigo e me irrita, com as brigas que você trava com os meus cabelos ou com a falta de palavras lindas vindas da tua boca.Porque só o teu sorriso supera todos os teus defeitos.
E bom, as vezes eu penso que a gente podia dar certo.Você parece que adivinha que eu preciso de você assim,perto sem ta grudado, me beijando sem querer pegar na minha bunda,sendo ciumento sem exagerar, me conquistando aos poucos, com teus gestos, com tuas pequenas ações que tu deve saber que eu reparo, e que me encantam e que pra mim ganham proporções enormes.Eu sei que as vezes algumas me decepcionam e me fazem ter vontade de largar mão de ti e procurar outro, no momento seguinte você coloca uma cadeira do meu lado, me puxa para perto de ti e faz esses pensamentos evaporarem.
Pois foi numa bobeira que eu te beijei pela primeira vez, e foi no susto que você virou meu namorado.Foi dia após dia que eu fui precisando mais e mais do teu toque, da tua presença.E agora, ninguém vai ocupar seu lugar.


segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Contigo quero estar


Acordo todos os dias com desejo de mudança.Nunca gostei de rotina, e de eterno agora,só quero minha tatuagem.
Mas com você...ah, você é a definição de confusão,tremor e saudade para mim.Quando deita a cabeça no meu ombro, briga com meu cabelo,beija minha mão,passa a mão por dentro do bolso do meu moletom para me abraçar,quando fica escrevendo seu nome no meu pulso, quando me olha sem motivo nenhum...meu Deus, você não tem idéia do quanto me faz feliz, do quanto faz meu coração pular.Mas são momentos.E tem momentos que você simplismente não parece se importar comigo, e muito menos com meus sentimentos.Se antes eu achava que as unicas marcas que você me deixava eram as de mordidas, agora eu vejo que é bem mais do que isso.Não sei se a gente tem futuro, e pra ser franca, acho que o melhor que eu faria seria terminar de vez com isso que a gente chama de namoro.
Mas sabe por que eu não faço isso?Porque eu sei que amanhã, quando você me olhar e falar qualquer bobagem, eu vou sorrir, e vou sentir vergonha de cada vez que você sorrir pra mim.Porque a verdade é que eu não gosto de declarações de amor e de promessas de pra sempre.Eu gosto do hoje, do agora, dos pequenos detalhes,mesmo que vindo de você, eles possam ser contraditórios.

E mesmo que eu possa ser uma covarde de não tomar uma atitude,eu não quero nem consigo me imaginar sem você, seu sorriso, seu cheiro.Mesmo que você possa ir embora,enquanto aqui tu estiver, eu contigo quero estar.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Pra não dizer que não falei de mim...



Sabe, quando eu tinha 11,12 anos, achava super legal dizer que era uma pré adolescente.Mais do que isso, queria porque queria crescer, pra poder dizer enfim que era adulta.Sonhava com o dia em que teria minha própria casa,meu próprio carro,minha própria vida.E então,quando me dei conta,as coisas foram mudando.Veio o primeiro amor, o primeiro beijo, o primeiro fora, as primeiras decepções.Aquela brincadeira de criança de dar aula pras minhas vizinhas foi ficando só na memória e eu fui me apaixonando por outras coisas.Descobri que escrever era bom pra aliviar tudo, e que eu era boa nisso.
E sabe, aquela maturidade que eu ouvia tanto dizerem que eu tinha, me parece tão absurda.Poxa, eu mudo de opinião a cada segundo!Mais do que isso,diariamente tomo decisões que não são nada permanentes, tento revoluções dentro de mim que não dão certo e a unica sensação que me acompanha todo dia é a de querer mudar.
Mas mudar o quê?
Me vem aquela vontade de pintar cabelo,trocar os óculos por lentes, mudar meu estilo...mas será que é só isso?Mudar por fora vai mexer no que sou por dentro?
Porque eu sou desequilibrada,indecisa,boba,sensível,intensa.Coisas pequenas me encantam e um beijo no pescoço me faz mais feliz do que um"eu te amo".Será que eu quero mudar isso?Alias, quem eu quero ser?
As vezes, eu acho que quero ser independente e não precisar de ninguém.Mas eu amo as pessoas que fazem parte da minha vida, e não me vejo sem elas.
Por isso, eu vou indo,chorando,rindo,caindo,mas principalmente,levantando e sendo feliz,independente de tudo.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Ser como quiser




                          

Republica Federativa do Brasil. Esse é o nome do país que vivemos, nossa Terra-Mãe, embora usamos somente o nome Brasil. Nele, para dirigirmos, para arcarmos com nossos atos, para termos total liberdade de ir e vir, e de fazer o que bem entender com nossa vida, temos que ter a idade mínima de 18 anos. Nada mais justo, já que para que tenhamos consciência do que é certo e do que é errado, e do que queremos na vida, temos que ter um acompanhamento. Não nascemos prontos pra vida, só prontos para viver.
Por isso, ao nascer, temos que ter um lar, pai e mãe, para que nos eduquem nos apoiem e nos sustentem. Depois de certa idade, vamos pra escola. Se em casa nos educam como pessoa, na escola nos educam para isso, e para sermos bons cidadãos e profissionais. Cresci sabendo que dentro de uma sala de aula, o mestre é autoridade. Sim, temos todo o direito de expressarmos nossa opinião e tentar mudar algo que nos desagrade ou parece errado, desde que para isso nós não sejamos mal-educados e desrespeitosos. E isso vale na nossa casa também.
Sim, tem horas que a raiva é muita. Estamos na fase de querer mudar o mundo, de berrar e impor nossa opinião, de querer liberdade, de querer espaço e voz. Talvez tenha momentos que tenhamos razão: senão errarmos, como iremos aprender? Se sempre nos protegerem e nos encherem de “não faz isso”, “não vai a tal lugar”, como que vamos fazer quando não tivermos ninguém para comandar a nossa vida?
Porque sim, ela é NOSSA vida. Nós que iremos prestar vestibular, nós que iremos fazer autoescola, nós que iremos nos acompanhar sempre. É assim que vai ser sempre. A nossa felicidade, nosso sucesso, nossa vida é e vai ser sempre nossa responsabilidade.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Palavras para você

                                  

Sabe, eu sempre acreditei que tudo na vida tem um motivo, significado e razão para acontecer ou não na vida da gente. Sempre tive fé que minha Mãe de coração guia minha vida lá de cima do melhor jeito possível pra eu ser eternamente uma pequena apóstola dela.

Por isso, nada do que acontece ou deixa de acontecer pra mim é questionável ou motivo de algum tipo de reclamação. Porque aprendi, com meus erros e acertos, e com as palavras de pessoas que não conheço, mas que sem duvida tocaram meu coração e minha alma, que tudo que não me faz bem, pelo menos me fortalece, me traz aprendizado e bagagem pra jornada que eu tenho em frente.

Então, tudo o que eu vivi contigo não foi em vão. Por mais que você insista em dizer que tudo foi uma mentira, que eu era falsa, só pelo fato que acabou para mim e eu não podia mais fingir que te queria, eu sei, e durmo tranquila por isso, que tudo não foi uma brincadeira. Só que sentimentos, pessoas e lugares vão e vem. O mundo é gigantesco, as pessoas são bilhões. Eu tenho muito que ver, viver e sentir ainda.  E você também. Ainda que prefira gritar aos quatro ventos que sua vida não tem razão sem mim, você sabe que a vida te reserva muitas surpresas ainda.

Porque eu segui em frente.Com a cabeça erguida e mantendo a fé em Deus, já dizia a canção. Estou certa que tudo o que passou é uma história a mais para eu contar. Porque eu sou feita de histórias. Elas me fazem respirar e viver. Elas são meu futuro, se Deus permitir. E então, quando seu rosto, sua voz e seu cheiro não tiverem mais na minha memória, vou ler essa carta e ter cada vez mas certeza de que nunca devemos estar certos absolutamente de tudo. Porque a vida é curta e temos muito que aproveitar dela.

terça-feira, 15 de maio de 2012

A busca



Quando estamos na adolescência, o que não faltam são aqueles papos de procura pela identidade, tribos, estilo, títulos.
Sempre tem, não adianta negar. Olhando ao redor, onde quer que seja desde que tenha uma concentração de garotos e garotas, você sempre vai achar vários tipos deles.
Tem a anti-social, tímida, que sempre se esconde embaixo de um capuz, com fones de ouvido, atrás de uma capa de livro. Eles são sempre assim: não tem segurança de ser quem são, e por isso vão em busca de algo que possa achar conforto.
E é a partir desses que vem um outro tipo: aquele que busca apoio em qualquer tipo de droga, seja ela o álcool, o cigarro, ou até mais pesadas.
E não é só em filmes e novelas que existe aquele tipo popular. Na vida real, eles não são só loiros e altos, existem de todos os tipos. A diferença é que eles não são sempre tão maus.
Há também aquele tipo mentiroso que vive inventando histórias para se tornar mais interessante.
Ah, os engraçados... Sempre estão achando alguém ou algo para implicar, para se divertir. Às vezes, isso pode machucar.
Só que se a gente pensar assim, falar assim, pode parecer que todos são ou perturbados ou maus. Não é assim. Cada um de nós é humano, tem o seu lado bom e ruim. E o que cada um busca é muito mais do que falam; é aquela coisa que não tem nome, aquela coisa que não traz conforto:é a eterna busca, o eterno susto, choro, grito.
Porque se você olhar no olho de cada um, vai ver que ele é um pouco de cada um. Nós jovens criamos laços e vínculos muito fortes. É com os amigos, com o namorado, que a gente sente e vive as melhores sensações. É junto com eles que você constrói aquilo que é, o que mais ama. É incrível a nossa capacidade de mudar, de ser inconstante.
E são oposições que muitas vezes são usadas para definir um adolescente: maduro, imaturo, maduro, alegre, triste, correto, errado, desestabilizado, seguro.
Pode até ser que essas variações o deixem tonto e muitas vezes com aquela sensação de não ser feliz, de não ter chão. Mas isso só nos faz crer que tudo que a gente quer, a gente tem que buscar. Nada vem pronto.